plantão filosófico
Jornal de Filosofia
Pesquisa

David Hume: ceticismo, crença e hábito.
Por Eliseu Oliveira (Leitor do Jornal), em 2019/05/0935 leram | 0 comentários | 2 gostam
Todos já vimos o Sol nascer, se pôr e nascer no outro dia. Por isso dizemos:"o Sol nascerá amanhã novamente ".Mas será isso verdade? É possível afirmar inequivocamente que o Sol nascerá amanhã? É disso que trata Hume na sua teoria do conhecimento.
David Hume(1711-1776), filósofo escocês, marcou a filosofia da sua época com seu empirismo radical ao propor uma epistemologia que focava o conhecimento na experiência, contrariando os racionalistas.
 Hume afirmava que nosso conhecimento provém das Impressões; que podem ser Fortes, resultantes de uma experiência imediata, por exemplo queimar-se ao encostar a mão em um objeto quente; ou Fracas, resultantes das lembranças, como lembrar-se da dor de uma queimadura.
 A partir disso, David Hume pôs em xeque as relações de causalidade. Já que os fatos podem ser conhecidos apenas através da experiência, não se pode afirmar inequivocamente que algo acontecerá unicamente porque isso já ocorreu antes. Ou seja, o fato de que o Sol nasce diariamente há milhares de anos não permite inferir que ele nascerá amanhã pois a experimentação só é possível no presente, ela afirma algo que é,não algo que deveria ser.
 Apesar de que não é possível provar que o Sol nascerá amanhã, nós temos certeza disso(crença) pois já vimos isso acontecer(hábito), ou seja, é algo habitual.
 Dessa forma,acreditar que o Sol nascerá amanhã é crença no hábito.


Comentários

Escreva o seu Comentário