Mural
Jornal da Biblioteca Escolar Carlos Teixeira
Pesquisa

Crítica ao conto " A menina e os sete corvos"
Por Maria João Rovisco (Professora), em 2015/02/051611 leram | 0 comentários | 59 gostam
Os alunos do 6ºD realizaram durante o mês de janeiro atividades de escrita, fazendo uma crítica a um conto dos Irmãos Grimm.
Crítica ao conto “A menina e os sete corvos”

De: Irmãos Grimm
Personagens: pai, mãe, menina, 7 rapazes, a Lua, a Estrela de Alva e um anão
Género: conto maravilhoso
Classificação: todas as idades
Crítica: Muito Bom
                        
A “Menina e os Sete Corvos” é um texto maravilhoso que narra um acontecimento fantástico. A acção desenrola-se rapidamente até um final feliz.
Um casal que tinha sete filhos rapazes desejava muito ter uma menina. Quando finalmente a mulher deu à luz uma bebé, uma grande desgraça caiu sobre a família. Como a criança era muito fraquinha decidiram batizá-la de imediato. O pai pediu ao filho mais velho que fosse buscar uma bilhinha de água para o batismo. Os outros irmãos também foram e, como cada um queria ser o primeiro a tirar a água, deixaram cair a bilha ao poço. Com medo do pai, não regressaram logo a casa. Perante esta demora o pai furioso vociferou que desejava que eles se transformassem em corvos, e assim aconteceu.
É a partir daqui que o maravilhoso, o fantástico se manifesta e que a nossa imaginação desperta.
Todo o drama do conto se desenvolve de forma extraordinária com uma excelente ação, pois a irmã quando toma conhecimento do que tinha sucedido aos irmãos fugiu de casa e foi pelo Mundo fora à procura deles para os salvar. Andou tanto que chegou ao fim do Mundo e dali encaminhou-se para o Sol, depois para a Lua e finalmente para a Estrela de Alva que lhe deu um pequeno osso de pintainho. Este objeto seria a salvação dos seus irmãos, mas o drama do conto intensifica-se quando a menina se apercebe que tinha perdido o ossinho. Corajosa e determinada arranja uma solução para o problema.
No fim, tudo acaba bem e a menina e os sete irmãos abraçam-se entusiasticamente.
Este conto cativa-nos desde o início, deixando-nos curiosos quanto ao desfecho.

David Castro
Marco Moreira
Rodrigo Cunha
Tiago Mendes



Crítica

Uma história cativante que faz os seus leitores voar a um mundo maravilhoso, simultaneamente aconselhando-os para o seu percurso de vida.
Os dois grandes ensinamentos desta narrativa são: a importância da nossa vontade e coragem na concretização dos sonhos e ainda a relação protetora e solidária dentro de cada família.

Ana Luísa
Beatriz Afonso
Sandra



Crítica

De: Irmãos Grimm
Género: Conto Maravilhoso

Este conto narra a vida de um casal que, apesar de ter sete filhos rapazes, ansiava pela chegada de uma menina. Finalmente, a sua mulher deu-lhe novas esperanças e quando a criança nasceu, era uma menina. A alegria da família era enorme, mas a criança era franzina e pequenina, e por causa dessa fraqueza, os pais decidiram que ela devia ser batizada o mais depressa possível. O pai mandou o filho mais velho à fonte buscar água e os outros seis irmãos foram atrás. Como todos queriam ser o primeiro a tirar água, acabaram por deixar cair a bilha ao poço. Ficaram assustados e sem saber o que fazer permaneceram ali.
O pai furioso pelo ausência dos filhos e com medo que a filha morresse sem ser batizada lançou uma maldição que se concretizou. Os filhos foram transformados em corvos e desapareceram. Nunca contaram à filha, que entretanto foi crescendo saudável, que tinha sete irmãos.
Um dia a menina ouve, através de uma criada, a história dos seus irmãos desaparecidos e decide procurá-los. Vive uma aventura sem igual até conseguir encontrá-los e quebrar a terrível maldição.
Voltaram os oito a casa, para alegria de seus pais.
Este conto pretende mostrar que por vezes os pais cometem erros, não de propósito, mas por amor. A ânsia de terem uma filha, apesar de já terem sete filhos, levou o pai a amaldiçoar os rapazes, em defesa da filha fraca, que poderia morrer sem ser batizada, pois o batismo significaria que se morresse poderia entrar no céu.
Os pais nunca contaram a verdade à filha com medo da sua reação e ao mesmo tempo para esconderem a sua dor.
É um conto fantástico que pode ser adaptado a muitas situações da nossa vida.

Carolina Sousa
Clara Teixeira
Margarida Azevedo
Mariana Mendes
Raquel Correia


Comentários

Escreva o seu Comentário