A Semente
Jornal do Agrupamento de Escolas Dr Flávio Gonçalv
Pesquisa

MORREU LUÍSA DACOSTA
Por Dulce Marques (Professora), em 2015/02/17283 leram | 0 comentários | 91 gostam
A escritora Luísa Dacosta morreu no passado domingo, 15 de fevereiro, em Matosinhos.
Luísa Dacosta nasceu em Vila Real, a 16 de fevereiro de 1927.
Formou-se na Faculdade de Letras de Lisboa, e foi professora do 2º ciclo nas escolas Ramalho Ortigão e Francisco Torrinha, no Porto.
Tinha uma forte ligação afetiva com a Póvoa, principalmente com a comunidade de A-Ver-o-Mar, onde passou vários verões no moinho sobre a areia, pertinho do mar.
A-Ver-o-Mar é assunto dos livros A-Ver-o-Mar (crónicas, 1980), Morrer a Ocidente (crónicas, 1990) e A Maresia e o Sargaço dos Dias (poesia, 2008), além do conto Nos Jardins do Mar (1981), e de várias páginas dos dois diários publicados da autora: Na Água do Tempo (1992) e Um Olhar Naufragado (2008).
O seu contacto diário com crianças e jovens, fez com que parte substancial da sua obra fosse dirigida a esta faixa etária. História com Recadinho (2010), Natal com Aleluia (2002), A oração de Pássaro (2002), O Príncipe que Guardava Ovelhas (2002), Conto Estrelas em Ti (2000), Lá vai Uma…Lá Vão Duas… (1993).
 Publicou, igualmente, uma antologia de leitura, dirigida aos mais jovens: De Mãos Dadas, Estrada Fora, em três volumes, o primeiro saiu em 1970, o segundo em 1973 e o terceiro, em 1980.
Algumas destas obras, que foram lançadas na Póvoa, na Biblioteca Municipal, poderão ser encontradas na BE.
Em 2011, as Correntes d'Escritas, na Póvoa de Varzim, incluíram uma homenagem a Luísa Dacosta, acompanhada de uma revista sobre a escritora.
Faleceu no dia 15 de Fevereiro de 2015, um dia antes de completar 88 anos, e o seu corpo foi hoje a cremar.
Marta Oliveira Santos, nossa colega aposentada e nossa colaboradora, postou esta mensagem:

Luísa Dacosta
A escritora, que tinha uma grande ligação à Póvoa de Varzim, partiu desta terra a ocidente, morreu a ocidente, deixando connosco a sua obra e a narrativa da vida dura da Mulher. A literatura portuguesa está mais pobre.


Comentários

Escreva o seu Comentário