A Semente
Jornal do Agrupamento de Escolas Dr Flávio Gonçalv
Pesquisa

COMEMORAR O DIA DE S. VALENTIM!
Por Cristina Ferreira (Professora), em 2020/02/11107 leram | 0 comentários | 16 gostam
Como se pode constatar os primeiros relatos de Violência surgiram na Roma Antiga pela mão dos patrícios que percorriam as ruas da cidade chicoteando as mulheres inférteis!!!!
Atualmente, o vocábulo VIOLÊNCIA faz título em muitos jornais e abre muitos noticiários!!! À custa dessa atitude, muitas mulheres casadas ou solteiras aparecem mortas ou acabam internadas nos hospitais para curar as mazelas que os maridos, companheiros ou namorados lhes fizeram. Certo é que as mazelas físicas poderão ser sanadas melhor ou pior, mas as psíquicas...
Para comemorar o dia de São Valentim ou Dia dos Namorados, nada melhor do que alertar os jovens para o facto de que o namoro é uma forma de se conhecerem, de conviverem, de conversarem sobre gostos, interesses, pensando no futuro e na vida em comum que poderão um dia fruir. Mas nenhum dos elementos do par de namorados (nem o rapaz nem a rapariga) tem o direito de ser violento para com o outro! Nenhum é pertença do outro, logo o respeito entre eles deve ser dominante!
Infelizmente, já durante o namoro a violência vai aparecendo cada vez com maior intensidade, existindo vários tipos: Física (empurrões, bofetadas, murros, etc); Sexual (o forçar certos atos e carícias); Verbal (quando te gritam, chamam nomes, te humilham, te ameaçam); Psicológica (se te estragam os teus objetos pessoais, se há controlo na forma de vestir, na forma como ocupa os tempos livres, no envio constante de SMSs para controlar o que fazes e onde estás, etc.); Social (se és humilhada ou envergonhada, ou a tua imagem é denegrida em público, se mexe, sem o teu consentimento, no teu telemóvel, nas tuas contas de correio eletrónico ou na tua conta do Facebook; te proíbe de conviver com os teus amigos e/ou com a tua família).
OS JOVENS DEVERÃO LEMBRAR-SE, NESTE DIA DOS NAMORADOS, QUE A VIOLÊNCIA NÃO É UMA FORMA DE MOSTRAR AMOR POR OUTRA PESSOA E O CIÚME NÃO JUSTIFICA QUALQUER COMPORTAMENTO VIOLENTO.
Em Portugal, um em cada cinco jovens reconhece ter sido vítima de comportamentos emocionalmente abusivos numa relação de namoro. De acordo com vários estudos, os principais motivos que levam um jovem (rapaz ou rapariga) a manter uma relação de namoro em que existe violência são o medo e a vergonha. Se algum jovem, rapaz ou rapariga, pensa que está a ser alvo de violência no namoro, deve afastar-se dessa relação. Há formas de procurar ajuda:
• Ligando para o Serviço de Informação a Vítimas de Violência Doméstica (800 202 148), especializado em situações de violência no namoro;
• Denunciar a situação junto das entidades de segurança pública, como a PSP, ou participar a situação a quem possa auxiliar-te de perto (por exemplo, Diretor/a da Escola);
• Pedires apoio à rede social que te é próxima, no sentido de te ajudar a protegeres-te de situações que te possam lesar quer do ponto de vista físico, quer do psicológico ou emocional;
• Recorreres a entidades de apoio na área, como a Casa Qui (Lisboa), para que te seja facultado o apoio institucional que precisas, tal como aconselhamento técnico, apoio psicológico e/ou jurídico.
ATENÇÃO:
 Jovens, lembrem-se que na Roma antiga (século VIII a.C.) é que se chicoteavam as mulheres que, sem culpa, eram inférteis. Vivemos no século XXI, logo:
ABAIXO QUALQUER TIPO DE VIOLÊNCIA!

Professora Marta Oliveira Santos






Comentários

Escreva o seu Comentário
 




Top Artigos: Amor de Mãe