A Semente
Jornal do Agrupamento de Escolas Dr Flávio Gonçalv
Pesquisa

ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE A ANTIGA GRÉCIA
Por Cristina Ferreira (Professora), em 2019/11/3061 leram | 0 comentários | 3 gostam
O gosto pela História, e particularmente pela Grécia Antiga, levou o Vasco Oliveira, do 7º E, com a ajuda do avô, a escrever o excelente texto que publicamos e nos inspirou a criar este novo espaço, "Mais História", no FG Notícias.
A designação Grécia é de origem romana. Hélade Hellas ou Terra de Helenos era a designação original.
O território continental e insular correspondia quase ao atual, excluindo a Macedónia e a Trácia que eram, à época, autónomos e hoje são parte da Grécia.
Os gregos primitivos ter-se-ão estabelecido em Chipre, Creta e outras ilhas do Mar Egeu, antes de se instalarem no continente e formarem cidades-estados de Atenas, Esparta e Corinto (*), as mais importantes.
Enquanto Atenas valorizava a cultura e foi berço da Democracia - uma palavra de origem grega que significa que a soberania pertence ao povo – Esparta era uma cidade-estado do tipo ditatorial e militarizada, governada pelas famílias aristocratas. No entanto, quem venceu o invasor persa, entre os anos 490 a 479 antes da Nossa Era, foram os atenienses, embora Esparta também entrasse nas Guerras Médicas ou Persas, aliada a Atenas.
As batalhas mais importantes contra o invasor persa foram: Maratona, sob o comando do ateniense Milcíades e a batalha naval (**), com direção de Tenístocles, outro militar ateniense. Os espartanos, comandados por Leónidas, o seu rei, lutaram heroicamente no desfiladeiro das Termópilas, mas a traição de um grego resultou na morte dos últimos 300 combatentes.
Mais tarde, no ano 431 a N.E., Esparta venceria Atenas na Guerra do Peloponeso. Neste período sobressaiu a figura exemplar do político-estratega Péricles, que muito contribuiu para a glória de Atenas, quer dirigindo a sociedade ateniense e a sua defesa (até à Guerra de Peloponeso), quer beneficiando a cultura e promovendo obras monumentais que ainda são visitadas na Acrópole, como é exemplo o Pártenon, dedicado à deusa Atena.
O desporto também deve muito à cultura grega, nomeadamente aquelas competições organizadas no sentido da paz entre os gregos, pelo menos no período de três meses, tempo da sua duração.
Várias cidades organizavam os seus jogos, abertos à população grega e posteriormente a estrangeiros. Os mais conhecidos atualmente são os Jogos Olímpicos, que se realizavam em Olímpiada de 4 em 4 anos.
Foram retomados em 1896, em Atenas, por iniciativa do barão Pierre de Coubertin.
Também se realizavam os Jogos Páticos, em Delfos, com a mesma periodicidade e os Jogos Ístmicos, em Corinto, de 2 em 2 anos.
Porém, mais importante que o desporto (que se tornou profissão nos nossos dias) foi a herança cultural que a Grécia Antiga, principalmente de Atenas, nos legou. Muitos foram os escritores, dramaturgos , filósofos, historiadores, poetas e outros criadores, cujas obras são recordadas e levadas aos palcos pelo mundo fora, como: Aristófanes, Aristóteles, Arquimedes, Demóstenes, Epicuro, Esopo, Ésquilo, Hipócrates, Hérodoto, Homero, Pitágoras, Plutarco, Sófocles, Sócrates, Tales de Mileto, Ptolomeu, Eurípedes, Platão e outros.
A mitologia grega era muito rica quanto aos seus deuses e personagens fabulosas que inspiraram muitos criadores ocidentais, principalmente dramaturgos e compositores da História Contemporânea.


(*) Tebas (**) de Salamina


Fontes consultadas: Moderna Enciclopédia Universal, História do Mundo e literaturas avulsas

Vasco Oliveira, N.º 25 - 7.º E


Comentários

Escreva o seu Comentário