A Semente
Jornal do Agrupamento de Escolas Dr Flávio Gonçalv
Pesquisa

ENTREVISTA A ANA ESTEVES
Por Dulce Marques (Professora), em 2018/10/1172 leram | 0 comentários | 5 gostam
O José Carlos Silva, do 6ºJ, aproveitou a presença de Ana Esteves na nossa escola para a entrevistar.
JOSÉ CARLOS – O que a levou a ser contadora de histórias?
ANA ESTEVES – Sou uma apaixonada por livros, devoro tudo o que me aparece pela frente. Adoro histórias infantis e juvenis, e, para além disso, também adoro o ensino. Por isso, foi uma forma de me realizar – contar histórias aos meninos.
JOSÉ CARLOS – Quais são as reações dos alunos quando conta as histórias?
ANA ESTEVES – Felizmente são muito boas. Existem reacções de riso, e às vezes os meninos também choram. Por exemplo, ontem, com “Rosa, minha irmã Rosa”, houve meninos que choraram. Julgo que têm sido boas, porque têm tocado no coração.
JOSÉ CARLOS – De que forma é que a senhora conta as histórias e como se sente?
ANA ESTEVES – Quando estou a contar uma história, esqueço-me de quem sou na realidade. Quase sempre me sinto a personagem da história, daí dar tanta vida às personagens.
JOSÉ CARLOS – Qual a história que gostou mais de contar até hoje?
ANA ESTEVES – É difícil, muito difícil,… mas há uma história que me marcou e que repito sempre que posso – “O Imaginão”, de Manuela Crespo.
JOSÉ CARLOS – No futuro vai continuar a contar histórias?
ANA ESTEVES – Espero que sim, durante muito tempo.
JOSÉ CARLOS – O que a faria deixar os contos?
ANA ESTEVES – Não consigo imaginar. Isto faz parte de tal maneira da minha vida… quase posso dizer que comecei a contar histórias na escola primária. Por isso, penso que nunca vou deixar os contos.
JOSÉ CARLOS – Eu reparei que os alunos gostam muito de si. Tem uma pequena ideia porquê?
ANA ESTEVES – Talvez porque transmito alegria, afeto, ternura, e levo os alunos a interessarem-se um pouco mais pelos livros, espero…
JOSÉ CARLOS – Afeto de que maneira?
ANA ESTEVES – Acho que as palavras que lhes são dirigidas lhes tocam no coração. É uma forma de dar afeto, carinho, amor, através das palavras.
JOSÉ CARLOS – às vezes os livros são carinhos para nós. Obrigado por me dar esta entrevista. É uma boa contadora de histórias.
ANA ESTEVES – Obrigada, meu querido. Até à próxima.


Comentários

Escreva o seu Comentário