Janela Aberta
Agrupamento de Escolas de Santa Marta de Penaguião
Pesquisa

Santa Marta foi ao teatro
Por Carlos Rodrigues (Professor), em 2017/03/2291 leram | 0 comentários | 23 gostam
No dia 14 de março de 2017, os alunos do 5º ano foram ao teatro da Vilarinha, no Porto, ver a peça "O lobo somos nós".
Os alunos das turmas A e B, do 5.ºano da Escola Básica 2,3 de Santa Marta de Penaguião foram ao Porto no dia 14 de março de 2017 no âmbito de uma visita de estudo. Foi possível assistirem a uma peça de teatro intitulada “O lobo sou eu”, pela companhia “Pé de Vento”, no Teatro da Vilarinha (perto do Hospital Magalhães Lemos) e, na parte da tarde, conheceram algumas das instalações do Estádio do Bessa, século XXI. Querem ouvir o relatório da viagem?

Saímos da escola logo após o toque irritante da campainha. Enfrentámos as curvas desde Santa Marta até Parada de Cunhos. Cruzámos o rio Aguilhão e o rio Sordo. Entrámos de forma suave na A4 e tivemos o prazer de passar pelos quase 6 km do Túnel do Marão. Sentimos a frescura das águas do rio Marão, do rio Ovelha e do rio Tâmega.

Após alguns enjoos e muita cantoria, e termos passado por Amarante e Valongo, petiscámos um pouco do nosso farnel na Estação de Serviço de Águas Santas. Já cheirava ao Porto e a mar. Ainda sentimos o salgado das águas do Atlântico em Matosinhos.

Entrámos no Teatro da Vilarinha pintado de cor-de-rosa. Conhecemos o Ventolão, a mascote da companhia “Pé de vento”. Portámo-nos bem e respeitámos os atores. Conhecemos o Juvenal fanfarrão e mentiroso e a Amélia medrosa mas paciente.
Percorremos a floresta por um atalho que nos fez perder mas a culpa… foi do Juvenal. Mas no final, chegámos à conclusão que o medo, ou seja o lobo, está dentro de nós e temos de o enfrentar. Ainda descobrimos que não nos devemos sentir superiores aos outros, temos de respeitar todas as diferenças e, também, que nunca nos devemos afastar dos caminhos que conhecemos.

Participámos num fantástico debate com o autor (dramaturgo), o encenador e os dois atores. Satisfizemos as nossas curiosidades, tirámos algumas dúvidas sobre a peça e convivemos em ambiente de teatro.

No Parque da Cidade, aconchegámos o nosso estômago, refrescámos as nossas ideias e lambuzámo-nos com os gelados. Ainda tivemos a visita das pombas e das gaivotas. Felizmente, o nosso farto almoço também deu para elas! E houve tempo para a salvação de uma ciclista que quase nos atropelava. Mesmo gordo, o professor António Martins teve bons reflexos!

O senhor Francisco, o nosso motorista, levou-nos à famosa Rotunda da Boavista. Beijámos a Casa da Música com o olhar, vimos os jogadores do Boavista no autocarro e visitámos o fantástico Estádio do Bessa, século XXI. Foi possível entrar no Museu repleto de taças, medalhas e galhardetes. Sentimos o cheiro da relva molhada e sentámo-nos na zona VIP. De facto, sentimo-nos famosos, confortáveis e felizes.

Agradecemos ao senhor Dúlio, tesoureiro do Boavista Futebol Clube, a visita que nos proporcionou, e desgastámos as nossas goelas a gritar: «Boavista!!! Boavista!!! Boavista!!!»

Mas, como o tempo não perdoa, tivemos de regressar. Ainda tínhamos muita energia e animámos o autocarro até à nossa terra. Alguns ainda dormiram, nenhum enjoou mas, infelizmente, o passeio terminou.

Alunos do 5º A


Comentários

Escreva o seu Comentário